BUSCA POR PALAVRA CHAVE    
BUSCA POR TEMA    
NOSSO OBJETIVO
O QUE É FILOSOFIA?
VIRTUDES
VÍCIOS
TEXTOS DE FILÓSOFOS
EDUCAÇÃO
PEQUENOS TEXTOS
REFLEXÕES SOBRE
GRANDES PENSADORES

CONFIRA OS TEXTOS:
MAIS LIDOS
DESTAQUES
A vaidade

A vaidade

 

O orgulhoso olha-se num espelho; o vaidoso se contempla nos olhos dos outros.

 

A palavra vaidade tem sua origem no termo latino, vanus, que quer dizer vão, vazio.

Assim sendo, pode-se dizer que vaidade é sinônimo de vão, de vazio. É a disposição de uma pessoa que se atribui qualidades que possui, ou que tenta adquirir por falsas vantagens. O contrário de vaidade é modéstia, simplicidade.

A vaidade é muitas vezes tida por sinônimo de orgulho, mas são coisas diferentes, embora haja filiação já que o orgulho é pai de todos os vícios.

O orgulho diz respeito à opinião que temos de nós mesmos, e isso nos basta. A opinião do outro pouco ou nada nos importa. A vaidade é a parte de nós que quer ser admirada, glorificada, adulada, e para isso precisa do outro.

Como disse Saint-Exupéry “Para os vaidosos, os outros são admiradores”

Às vezes ouve-se dizer: “É preciso ter um pouco de vaidade, senão se cai no relaxamento, no descuido de si mesmo.” Essa ideia resulta da confusão entre vaidade e estima.

A estima é o sentimento favorável nascido da boa opinião que se tem do mérito, do real valor de alguém. É consideração, deferência, respeito. Portanto, o asseio que todos devemos ter para conosco mesmos não é vaidade, é cuidado, é higiene.

Voltemos à vaidade. A pessoa vaidosa escuta com satisfação o adulador que elogia suas fraquezas, e muitas vezes repele o amigo sincero que lhe diz a verdade e lhe dá bons conselhos. O vaidoso atrai o falso amigo e afasta o verdadeiro e desinteressado.

Para agradar o vaidoso é preciso adular, aprovar tudo, tudo aplaudir e achar tudo bom, mesmo o absurdo.

Por isso a vaidade é uma fraqueza humana habilmente explorada pelos aduladores que têm interesse em dela tirar proveito.

Vê-se essa habilidade sendo exercida por parte daqueles que querem convencer a pessoa a adquirir algum produto. Os elogios são os mais variados, apelando-se sempre para a vaidade. O comprador muitas vezes percebe tarde demais as consequências, mas então já está feito o mal, e às vezes ele não tem remédio.

Talvez tenha comprado o que não precisava, com dinheiro que não tinha, para parecer o que não era, e impressionar alguém que nem conhecia.

Jean de La Fontaine retratou muito bem a vaidade em sua fábula “O corvo e a raposa”:

O senhor corvo numa árvore empoleirado

Segurava no seu bico um queijo.

A senhora raposa, pelo odor atraída,

Dirigiu-se-lhe mais ou menos com estas palavras:

Olá! bom-dia, senhor corvo,

Como sois bonito! Como me pareceis belo!

Sem mentir, se o vosso gorjeio

For semelhante à vossa plumagem,

Vós sois a fénix dos habitantes destes bosques.

Com estas palavras o corvo não cabe em si de contente;

E para mostrar a sua bela voz,

Ele abre o grande bico e deixa cair a sua presa.

A raposa apodera-se dela e diz: "Meu bom senhor,

Aprendei que todo o adulador

Vive às custas daquele que o escuta:

Esta lição vale bem um queijo, sem dúvida."

O corvo, envergonhado e confuso,

Jurou, mas um pouco tarde, que não o apanhariam mais.

 

 

 

 

Equipe Filosofia no ar / tc 09/03/2013

topo da página imprimir indicar
O conteúdo deste site é livre de direitos para divulgação, desde que gratuita. Pede-se que sejam mantidos os devidos créditos.