BUSCA POR PALAVRA CHAVE    
BUSCA POR TEMA    
NOSSO OBJETIVO
O QUE É FILOSOFIA?
VIRTUDES
VÍCIOS
TEXTOS DE FILÓSOFOS
EDUCAÇÃO
PEQUENOS TEXTOS
REFLEXÕES SOBRE
GRANDES PENSADORES

CONFIRA OS TEXTOS:
MAIS LIDOS
DESTAQUES
Mágoa

Mágoa

 

Ninguém pode magoar você sem o seu consentimento.

Eleanor Roosevelt

 

A mágoa é um movimento desagradável da alma, ocasionado pela atenção que ela dá à ausência de um bem do qual ela poderia ter gozado por mais tempo, ou à presença de um mal do qual ela deseja a ausência.[1]

O sentimento de mágoa pode ser tão devastador, a ponto de causar a loucura e até mesmo a morte.

No entanto, é um sentimento que brota muitas vezes sem controle e vai tomando conta da alma de quem o alimenta.

Para evita-la ou livrar-se dela quando se instala em nosso coração, é preciso lançar mão das ferramentas da razão e do bom senso.

Dois agentes podem promover a mágoa: aquele mesmo que a alimenta, ou uma causa exterior.

No primeiro caso a pessoa guarda mágoa de si mesma, e a culpa pode lança-la num profundo sofrimento moral. O que fazer, então?

O sofrimento por si só nada repara. Então, persistir no sofrimento seria perda de tempo. Aliás, poderia vir a ser uma espécie de autopunição. E por que? Talvez por não admitir que tenha falhado. O orgulho gosta de nos fazer supor que somos infalíveis. Mas a infalibilidade não é atributo de seres imperfeitos, condição de todos nós, os humanos.

No segundo caso, isto é, quando a causa é exterior e independente, sobre ela não temos nenhum controle e de nada vale ficar remoendo.

O que diz a razão nos dois casos: perdoe e perdoe-se.

O passado, não mais existindo, não pode ser alterado e, portanto, não deve nos afligir.

O presente é o único tempo que temos em nosso poder. E podemos nos tornar melhores nesse tempo em que estamos, que é hoje. O futuro depende do tempo presente. Quando tomamos a atitude de eliminar da nossa alma o sentimento de mágoa, nos sentiremos, ainda hoje, mais livres, e amanhã estaremos mais felizes.

O psiquiatra norte-americano Gerald G. Jampolski[2] tem uma frase notável sobre o perdão: Perdoar é renunciar a todas as esperanças de um passado melhor.

Nada mais lógico, mais sensato e verdadeiro. Ou será que alguém já conseguiu voltar o tempo e apagar um acontecimento indesejado, ou realizar algo que tenha sido negligenciado?

Hoje, sim, é possível fazer ou deixar de fazer. Perdoar ou guardar mágoa. Amanhã teremos o efeito da nossa decisão de agora.

A mágoa é semente de loucura, de infelicidade. É causa de tristeza tanto para aquele que a alimenta quanto para aqueles que o rodeiam. Por isso esse sentimento nunca trouxe e jamais trará felicidade a quem quer que seja.

Não há filosofia, dizia Epicteto, em acusar os outros por um mal que fizemos; não acusar senão a si mesmo, é dar um primeiro passo na filosofia; não acusar nem a si mesmo nem os outros, é ter dado o último passo da sabedoria.

A propósito da mágoa, um amigo narrou a seguinte parábola:

Em um vilarejo, um velho sábio falava a seus discípulos a respeito do perdão das ofensas. Dizia ele àquele público atento que o sentimento de mágoa é um devorador de almas, e mantê-lo dentro de si seria assinar uma sentença de morte, mas uma morte lenta e muito dolorida.

Um de seus discípulos então interroga o mestre dizendo: Mestre, se esse sentimento é fatal e devora as almas, como posso eu estar aqui ouvindo seus ensinamentos, se carrego comigo, dentro de mim esse sentimento há tanto tempo? Pareço vivo, e assim estou!

O mestre, conhecendo o íntimo de seu discípulo e também a gravidade da questão lhe responde com doçura: Se alimentas essa fera e a vês crescer em teu seio, sabes que logo ela estará maior que tu. Primeiro ela irá minar tuas forças, para deixar-te impotente diante dela, mas enquanto cresce disfarça-se em amor próprio e te adula, por isso não te dás conta de que te rouba a vitalidade; mas te digo: livra-te dela enquanto podes, e verás que um novo ser viverá, uma luz brilhará em teus olhos e serás mais feliz.

 

           

            Equipe Filosofia no ar / tc 30/11/2012.

           

 



[1] Encyclopédie ou Dictionnaire raisonné des sciences, des arts et des métiers, tome III, par M. Diderot, terme: chagrin.

[2] Perdão, a cura para todos os males, ed. Cultrix, São Paulo, 1999.

topo da página imprimir indicar
O conteúdo deste site é livre de direitos para divulgação, desde que gratuita. Pede-se que sejam mantidos os devidos créditos.